Debate sobre LGBT é pautado por exemplos pessoais em escola

“Qual é a sua opinião sobre duas mulheres ou dois homens dando beijos em público, na frente de crianças, por exemplo?” Foi essa a pergunta que acendeu o debate sobre diversidade de gênero na Escola Estadual Antonio Manoel Alves de Lima, no Jardim São Luis, em São Paulo. O questionamento de um estudante foi direcionado ao voluntário do Quero na Escola, Felipe de Paula, advogado e integrante do movimento Vote LGBT, mas antes dele, os próprios colegas começaram a responder.

“Eu acho que o problema é a sexualização das crianças em si. As crianças não devem ser expostas a sexo, na minha família nenhuma criança é sexualizada”, expôs Felix, estudante transexual que fez o pedido pela palestra no Quero na Escola e contou ter passado por dificuldades e preconceito durante seu processo de transição do feminino para o masculino.

“Eu sou gay e já sabia desde pequeno que era, não foi porque eu vi alguém se beijando ou não”, acrescentou um outro estudante. “Sou lésbica e passei a vida assistindo a desenhos e novelas que mostravam casais heterossexuais, então acho que essa ideia não faz muito sentido”, disse uma terceira.

Felipe falou sobre as diversas identidades de gênero e a questão do nome social – nome pelo qual a pessoa prefere ser chamada de acordo com seu gênero, diferente daquele que consta em sua certidão de nascimento. “Alguns professores aqui não respeitaram isso, eu entregava a prova e eles falavam que não iam aceitar por conta do nome”, contou Felix sobre um dos desafios que encarou na escola ao se assumir trans.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Alguns acharam inadequado o beijo homossexual em público, por acreditar que as crianças, ainda em processo de desenvolvimento cognitivo, poderiam ser influenciadas. Outros discordaram e foram dados os exemplos pessoais. Ninguém se ofendeu ou deixou de ouvir o outro em mais de uma hora e meia de discussão até às 22h30.

“Eu pedi esse tema porque é uma coisa que me diz respeito, e muito, ultimamente. Eu senti que minha escola precisava tratar sobre isso, acho que todas as escolas precisam”, contou Felix. “A escola ainda tem um sistema bem fechado para várias coisas, não só nessa questão, e eu espero que ainda aconteçam grandes alterações nesse sentido”.

Antes do encerramento da atividade um professor que acompanhou a atividade compartilhou com o grupo a vontade de parte do corpo docente de criar um grupo contínuo de conversa sobre as questões LGBT dentro da escola e muitos estudantes começaram a colocar suas opiniões. “Eu acho legal ter esse grupo porque não é só com alguém de fora que a gente pode debater isso, mas também em sala de aula”, expôs uma das alunas.

Qualquer estudante de escola pública pode dizer o que gostaria de aprender além do currículo na sua escola no Quero na Escola. Para ver os pedidos existentes e se voluntariar para atender a um deles, clique aqui.

Voluntária usa documentário para discutir aborto em escola pública de Guarulhos

O estudante Caique Marcolino, da Escola Estadual João Luiz de Godoy, em Guarulhos, não esconde o motivo de ter feito o pedido por uma “Conversa sobre aborto” no Quero na Escola: “pedi porque é um tema polêmico, gosto de debates”. Sabendo disso, a jornalista Marcelle de Souza exibiu para a turma o documentário Clandestinas, um curta-metragem com depoimentos de mulheres reais que optaram pelo aborto. Antes de começar ela deixou a pergunta: “vocês acham que essas mulheres deveriam ser presas?”.

Marcelle pesquisou a questão do aborto em seu mestrado e agora inicia seu doutorado no mesmo tema, ambos na PROLAM-USP (Programação de Pós-graduação em Integração da América Latina da Universidade de São Paulo). Ela deu um panorama da questão do aborto no Brasil e no mundo. “O Brasil está mais perto de países da África ou do Oriente Médio nos números de mortes decorrentes de aborto do que dos países desenvolvidos que já legalizaram”, explicou.

Captura de Tela 2017-08-14 às 13.34.11.png
Alguns dados apresentados por Marcelle para os estudantes.

O assunto é tão tabu que depois da apresentação, os estudantes não expuseram suas dúvidas em frente aos demais colegas. “Fiquei surpreso porque o pessoal geralmente fala bastante”, disse Caique. “Mas acho que na frente de todo mundo ficaram com vergonha”. Apesar do silêncio em público, chegando em casa Marcelle foi checar sua caixa de entrada e já havia recebido um e-mail de uma aluna elogiando a apresentação, agradecendo por sua palestra e reforçando a importância de abordar esse tema na escola. “Fiquei até emocionada”, contou a voluntária.

Integrante do grêmio estudantil, o jovem é autor de mais pedidos no site e contou que os estudantes estão se organizando para levar cada vez mais projetos diferentes para dentro de sua escola. “Vamos arrumar o jardim aqui da frente e fazer um concurso de desenho”, ele contou. “Os ganhadores vão ser grafitados nos banheiros da escola, para cobrir as pixações”.

Quer levar mais atividades à essa escola? Dá uma olhada na página de pedidos dela no Quero na Escola e se inscreva para ajudar.

 

Militante negra leva discussão racial para escola pública de Salvador

Evaldo Leal é estudante do Ensino Médio do CEEP Luiz Pinto de Carvalho em Salvador, Bahia, considerada a capital mais negra do Brasil. Este título, porém, não isenta a cidade de discriminação racial, e foi pensando nisso que Evaldo fez seu pedido ao Quero na Escola: “Etnia, cor e representatividade negra”. O estudante quis levar para sua escola, principalmente, a questão de como pessoas negras enxergam a si mesmas em meio a tantos estereótipos e representações midiáticas preconceituosas.

Quem se prontificou a atender ao chamado foi a comunicóloga e militante da pauta racial Luciane Reis, que atua principalmente na área do afro-empreendedorismo, sendo idealizadora do Merc`Afro, uma agência de fomento ao desenvolvimento de negócios locais e étnicos. A conversa girou em torno da inclusão dos jovens negros na universidade, da discriminação e da falta de valorização, mostrando que as dificuldades enfrentadas por eles vão além das relacionadas à baixa renda. Mas Luciane e os alunos também conversaram sobre como essa população tem conseguido superar obstáculos, mesmo tendo de se esforçar mais, devido à falta de oportunidades.

fotosalvador2.jpg
Luciane conversou com duas turmas do Ensino Médio

“Também foram levantadas questões acerca das nossas origens, até de forma que pudéssemos vislumbrar a identidade que iremos construir daqui pra frente”, contou Evaldo. “Houve um engajamento, mas acho que ainda temos muito a explorar, porque ainda é uma coisa nova pra gente”. O estudante deseja levar mais discussões como essa para dentro de sua escola.

“Foi um encontro rico em troca de informação. Encontrei adolescentes não somente preocupados com seus futuros, mas criando possibilidades de mudança para sua realidade”, contou Luciane. E as trocas vão continuar por lá: na próxima semana será a vez dos estudantes do turno da tarde receberem uma advogada, pesquisadora da causa racial, para debater a questão em uma roda de conversa.

E os baianos podem ficar ligados no nosso mapa, que tem vários pedidos aguardando voluntários. Uma estudante de Itaparica quer saber mais sobre o mercado de trabalho na Biologia e um estudante de Ubaíra quer conhecer profissões como Medicina, Design e Tecnologia da Informação.

Pedido no Quero na Escola vira dia de palestras no teatro municipal de Severínia

Mais de duzentos estudantes, professores e moradores de Severínia, no interior de São Paulo, lotaram o Teatro Municipal da cidade para assistir a três palestras sobre carreiras profissionais no dia 28 de junho. O ponto de partida para o evento foi a inscrição do estudante de Medicina Veterinária da Unesp, Caio Gonçales, ao pedido de um aluno no Quero na Escola.

O voluntário que mora em Rio Preto se sensibilizou porque, além de Severínia ser sua cidade natal para onde ainda costuma voltar nos fins de semana, ele mesmo estudou na Escola Municipal Esmeralda Duarte da Silva durante o ensino fundamental. Quando soube da coincidência, a professora de Artes, Graziele Chianpesan, pensou em chamar outros profissionais que estudaram lá para compartilhar sobre suas profissões. Conseguiu reforço de um profissional de tecnologia da informação e de um procurador de justiça.

O evento foi crescendo e precisou de um espaço maior. Veio a ideia do Teatro. “A diretora nem acreditava que os estudantes iriam sendo fora da escola!”, conta a professora, feliz com o sucesso do evento.

19620498_1904001699858186_3145375563142803826_o.jpg
Teatro Municipal de Severínia lotado para assistir às palestras

A estudante Karoline Cardoso, que assistiu às três palestras, conta ter ficado surpresa com as possibilidades da Medicina Veterinária e se sentiu inspirada após as apresentações:

“Achei importante o fato dos palestrantes terem comentado além de suas carreiras profissionais, alguns fatos de suas vidas pessoais, como ter conseguido alcançar uma boa profissão, tendo estudado em escola pública, o que muita gente acredita que seja impossível”.

Caio conta que viveu diferentes emoções no palco. “Não sei descrever a experiência que tive, um orgulho de voltar ao lugar que ajudou a construir o cidadão que sou hoje, poder passar para os alunos o que aprendi na universidade, mostrar para eles as inúmeras áreas que o médico veterinário pode atuar”. Ele tirou dúvidas em relação as disciplinas da faculdade e falou sobre bem estar animal e como lidar com os bichos. “Foi tudo muito gratificante!”.

Quer ver os outros pedidos que ainda esperam voluntários na EMEF Esmeralda Duarte da Silva? É só entrar na página da escola no site e ver no que pode ajudar.

O Quero na Escola é para o estudante dizer o que mais gostaria de aprender na escola além do grade curricular. Os pedidos ficam a disposição de voluntários que podem querer compartilhar conhecimento sobre aquele assunto. Veja exemplos no site.

Especialistas em Recursos Humanos vão à escola falar de como procurar emprego

Especialista em ajudar empresas a potencializar sua seleção de pessoas, Denise Maia, atuou em outra ponta nesta semana. Como voluntária do Quero na Escola, foi a Escola Estadual Residencial Jardim Bambi, em Guarulhos, ensinar jovens a dar os primeiros passos rumo na busca de vagas.

O pedido, assim como outros de Orientação Vocacional e Profissões específicas, estão em alta no site. A Escola Estadual Residencial Jardim Bambi, foi inclusive a que estrelou a matéria sobre o projeto no programa Como Será?.

“O LinkedIn é uma ferramenta legal para eles, mas eles nunca tinham ouvido falar. Foi muito legal porque é um mundo novo, mostrei o perfil que criei para o meu sobrinho, da idade deles que nunca trabalhou e pesquisei algumas empresas de Guarulhos para eles verem como encontrar as vagas”, conta Denise, que é especialista na plataforma. Ela deixou um desafio: “vocês vão criar um perfil desse jeito que mostrei e se conectar com ao menos 10 pessoas, uma delas pode ser eu. Daqui um tempo eu volto aqui e podemos fazer algo mais mão na massa a partir disso”.

O Edgard Jardel, estudante do segundo ano do Ensino Médio, autor do pedido no site, já começou a cumprir o combinado: “Criei um cadastro, e pra minha surpresa já tenho algumas conexões. Explorei o app e achei muito interessante e útil, sem contar que achei muitos amigos e conhecidos meus que já utilizavam.”

19396844_1376915932397722_5880648788622999863_n
Voluntários com estudante Edgard Jardel, que fez o pedido para sua escola

Onde você se vê daqui a dois anos?

Além de falar do currículo, também foi abordada a questão da tão temida entrevista de emprego. Denise contou com a ajuda de seu amigo e advogado, José Barreto, para explicar o que espera o empregador nesse momento e mostrar algumas perguntas frequentes.

“Uma das meninas que assistia se destacou. Explicamos que os entrevistadores costumam perguntar: onde você se vê daqui a dois anos? E ela falou para o José: me vejo trabalhando na sua empresa! Depois da palestra ela até veio falar com a gente se tinha vaga de jovem aprendiz nas empresas em que trabalhamos. Foi muito bacana ver esse interesse e iniciativa!”.

E iniciativa não está faltando nesses jovens. Quando Denise perguntou quem já tinha feito entrevistas, alguns compartilharam e experiência de já estar trabalhando e outros, como Edgard, se mostraram interessados em vagas de Jovem Aprendiz, porém, ainda há dúvidas sobre o funcionamento de programas desse tipo. “Tenho procurado vagas no LinkedIn, até agora não achei nenhuma na minha cidade, mas tenho certeza que não vai demorar muito pra eu achar”, contou Edgard, que também disse ter ficado com diversas dúvidas após sua primeira entrevista para uma vaga desse tipo.

Fica então o chamado: os estudantes estão querendo saber mais sobre como funcionam os programas de Jovem Aprendiz. Trabalha em uma empresa que tem vagas desse tipo ou conhece alguém que entende tudo desse tema? É só se inscrever na página da escola lá no site.

Estudante de Astronomia mostra imensidão do universo a alunos de escola pública no Jardim Irene, em SP

Na manhã da última sexta-feira (9), cerca de 30 alunos do terceiro ano da Escola Estadual Professor Ronaldo Garibaldi Peretti, no Jardim Irene, em São Paulo (SP), desceram os degraus do prédio e foram até a sala de vídeo para uma aula especial. O professor, que pisava ali pela primeira vez, era apenas alguns anos mais velho do que eles. E o tema era daqueles que fascinam a humanidade há muito, muito tempo: astronomia.

A primeira atividade do Quero na Escola na Ronaldo Garibaldi Peretti aconteceu graças ao aluno Adkuesley Ferreira Silva, 17 anos, que descobriu o projeto navegando no Facebook. Muito interessado por planetas, estrelas e galáxias, ele queria confirmar o desejo de seguir carreira de astrônomo e fez seu cadastro no site, mas sem grandes esperanças. “Achei que não fosse dar certo ou que fosse demorar”, afirmou.

No entanto, não levou muito tempo para que aparecesse um voluntário: Gabriel Lanzillotta, 20 anos, estudante de Astronomia da Universidade de São Paulo (USP), que foi do Alto do Ipiranga até o Jardim Irene conversar com Adkuesley [à esquerda na foto, de camiseta azul] e seus colegas.

A apresentação super informativa preparada por Gabriel incluía tanto imagens espetaculares quanto gifs e animações que divertiram os alunos. Em tom informal, ele buscou mostrar a imensidão do universo e as infinitas possibilidades de estudos e descobertas. “A astronomia é uma experiência de humildade”, disse. “Você vê o todo, e se vê muito pequeno.”

IMG_4497

Gabriel respondeu questões gerais, como o que é astronomia e o que ela estuda, e outras mais específicas. O que é um buraco negro? Por que o homem coloca satélites no espaço? Do que são feitos os anéis de Saturno?

Sentado à plateia, Adkuesley respondeu várias questões corretamente. “Eu pesquiso sobre o tema, leio algumas coisas”, contou o aluno, que aprovou a experiência com o Quero na Escola. “Adorei a palestra e agora estou com ainda mais vontade de fazer faculdade de Astronomia.”

Quando parte da turma já voltava para a sala de aula, Adkuesley aproveitou para conversar mais um pouquinho com Gabriel e tirar dúvidas sobre o vestibular e o conteúdo do curso, que exige bastante conhecimento de matemática e física. Além disso, dominar a língua inglesa facilita o acesso às informações e pesquisas de outros países.

O voluntário também avaliou a experiência como bastante positiva. “Foi interessante e surpreendente, tanto na recepção que me deram quanto no interesse que tinham”, avaliou.

Assim como Adkuesley, outros estudantes podem levar aulas diferentes para as escolas públicas nas quais estudam. É só acessar www.queronaescola.com.br e se cadastrar!

 

 

 

Com desafio de aviões de papel, gestor fala sobre Administração em escola de Guarulhos

Um desafio de aviões de papel para explicar como é a carreira de Administração? Foi essa a dinâmica proposta pelo gestor e contador Daniel Rocha, que foi bater um papo sobre a área com os alunos da Escola Estadual Professor Hernani Furini, em Guarulhos (SP), atendendo a um pedido feito pelo grêmio estudantil ao Quero na Escola.

“Vocês vão se dividir em grupos que vão ser companhias aéreas. O desafio é: criar um nome para essa companhia e me dizer quantos aviões vocês acham que conseguem produzir em dois minutos”, propôs Daniel. “Mas prestem atenção: cada avião precisa ter seis janelas, duas portas e o logo nas duas asas!”

O desafio foi lançado após Daniel ter falado sobre as principais características da área administrativa e os possíveis rumos de quem escolhe a carreira. Os adolescentes se engajaram na proposta e perceberam que não é fácil planejar e prospectar os resultados de uma empresa.

“A gente não definiu a quantidade ou qualidade e não viu o que cada um sabia fazer para fazer bem rápido”, disse uma aluna, dando o feedback de seu grupo. Este, aliás, foi o problema da maioria dos grupos: “Todos sabiam fazer, mas a gente não dividiu quem faria a janela, quem faria o logo etc”, compartilhou outro aluno.

Veja como foi a atividade:

O pessoal do grêmio da EE Prof. Hernani Furini está com diversos outros pedidos no ar! Dá uma olhada na página da escola  para ver se pode ajudar em algum deles 🙂

 

Professora de espanhol fala sobre a importância do idioma e dá dicas de como aprender sem fazer curso

¿Me entendéis? Quem quer que eu continue falando espanhol?”, perguntou Irene Reis Santos à turma da Escola José Cândido, no bairro da Pompeia, em São Paulo, depois de se apresentar como voluntária. Ela visitou a escola após pedido feito no Quero na Escola e falou na língua estrangeira sob olhares atentos dos estudantes.

O pedido por uma introdução ao idioma foi da aluna Safyra Campos Rego, estudante do 9º ano: “Minha tia falava um pouco de espanhol e eu gostava muito de ouvir. E também em algumas séries, eu era apaixonada por Violetta (personagem de novela argentina, famosa no Brasil entre 2012 e 2015)”, conta a aluna.

Os estudantes seguiram acompanhando boa parte da apresentação ouvindo a professora falar espanhol. Uma forma de Irene mostrar a eles que não é tão difícil assim aprender, para nós que somos brasileiros: “Eu comecei o encontro em espanhol e vocês entenderam, né? Se fosse em alemão, aí a coisa já seria mais difícil”, diz ela.

fotocapa.png

Irene é professora de espanhol, já morou na Espanha, é a representante no Brasil do CIPI – Consejo Independiente de Protección de la Infancia e faz mestrado no Uruguai. Para a atividade, procurou trazer não só o ensino da língua, mas também falar sobre a importância de se falar o idioma – o 2º mais falado no mundo -, por conta das empresas espanholas ou latino-americanas que valorizam profissionais que sabem o idioma e falou das diferenças culturais entre povos hispanohablantes.

A professora indicou sites, aplicativos, dicionários online e deixou à disposição seu próprio perfil do Facebook para ajudar que os estudantes busquem saber mais sobre a língua e se desenvolvam. “Todo dia tem que dar um estímulo para seu cérebro. É muito fácil ver e ouvir coisas em espanhol no YouTube ou configurar o videogame em outra língua”, foram algumas de suas dicas.

A experiência foi aprovada por Ana Maria Assunção, coordenadora da escola, que acompanhou a aula da primeira turma: “É interessante porque às vezes o estudante nem tinha pensado em aprender aquela língua e, quando vê alguém falando, percebe que consegue entender, pode se interessar mais, ver que é possível”.

Logo as dúvidas dos estudantes começaram a aparecer: “Meu primo falou uma coisa engraçada. Que pelado em espanhol é careca, é verdade?” ou “Por que no espanhol tem ponto de interrogação no começo e no fim da pergunta?”. Irene respondeu cada uma das questões e desmistificou algumas ideias sobre o aprendizado de línguas estrangeiras.

Na turma do 9º ano as dúvidas giraram mais em torno dos acentos diferentes e modos de pronúncia do Espanhol. “A produção de som do português é mais difícil que a do espanhol”, disse ela, fazendo alguns exercícios sonoros com os alunos para mostrar as diferenças na hora de falar as vogais em cada idioma. 

irene2.png
Irene propondo alguns exercícios sonoros para os estudantes do 9º ano

Entre os estudantes que estavam experimentando os sons e palabras do espanhol, uma aluna se destaca: já faz curso de Espanhol há mais de um ano. “O meu pai estudou na UNILA (Universidade Federal da Integração Latino-Americana, em Foz do Iguaçu) e ele estuda pra caramba. Ele tem todo aquele conhecimento hispânico. Depois disso, nós viajamos para a Argentina, eu tinha 10 ou 9 anos e me interessei bastante”, contou Cristel Masterson. “Depois nós achamos um curso gratuito em um CEU perto daqui e eu estou estudando”.

Cristel reforçou um pedido que fez há algum tempo e que, inclusive, estampa a página inicial de nosso site: aulas de jazz. Já Safyra está aguardando voluntários para um pedido de outra língua ainda mais ousada: o Coreano.

Veja todos os pedidos da Escola José Candido em sua página do Quero na Escola. Quem sabe você não pode ajudar em algum?

Profissional de TI fala da área e de inovação tecnológica em escola pública de Itapevi

O Quero na Escola estreou em mais uma escola do município de Itapevi – já são quatro com pedidos na região – com um tema que envolve toda a sociedade, mas principalmente os jovens: tecnologia. A solicitação por uma conversa com um profissional de TI foi feita  por Wender Alves Oliveira, aluno do terceiro ano da Escola Estadual Nacif Amin Chalupe, que pretende seguir carreira na área da computação. “Pedi mesmo para mudar a rotina”, contou.

De fato, a apresentação do voluntário Bruno Abdelnur – formado em Ciência da Computação e desenvolvedor mobile – mudou mesmo a dinâmica das duas turmas de terceiro ano. Em cerca de meia hora, ele traçou um panorama das inovações atuais e dos principais agentes de mudança quando se trata de novas tecnologias: Bill Gates, Steve Jobs e Mark Zuckerberg.

Captura de Tela 2017-05-25 às 19.33.26.png
Bruno falou de algumas das invenções de Elon Musk

Porém, foi o quarto personagem mostrado que mais gerou curiosidade: “E aí, vocês sabem quem é esse cara?”, perguntou o voluntário à turma. “Já que a NASA estava sem dinheiro para fazer viagens, esse cara, o Elon Musk, criou a SpaceX. O sonho dele é morar em Marte”, explicou Bruno sobre a trajetória do famoso engenheiro e inventor, comentando também sobre seus projetos de energia solar e carros autodirigidos.

Para mostrar que a conversa  tinha muito mais de presente do que de futuro, Bruno levou seu óculos de realidade virtual para fazer uma demonstração com os alunos interessados. E, claro, foi um sucesso e uma disputa para ver quem usava primeiro os óculos, que passavam uma simulação do espaço, deixando todos se sentindo como astronautas.

PNXP6508.jpg
Até Cristiana, a coordenadora, quis entrar na brincadeira e ver como funcionavam os óculos.

O lado profissional

Sabendo que o pedido dos alunos era mais voltado ao mercado de trabalho de Tecnologia da Informação, Bruno também levou alguns dados sobre os cursos de formação nesse meio e sobre a carreira. “Acho que o ideal é começar com um curso técnico, que já vai te dar alguns conhecimentos básicos de programação, por exemplo, para começar a trabalhar”, comentou. “Depois, o ideal é fazer uma graduação ou especialização, dependendo da área em que quiser atuar”.

Alguns alunos demonstraram interesse em seguir essa carreira, principalmente na parte da computação ligada à eletrônica. ” Amo eletrônica, solda, componentes e circuitos, essas coisas. Fiz um curso de aprendizagem industrial e assistia algumas aulas do Técnico. Gosto muito da parte física, plaquinhas, celular… acho fascinante”, contou Ingrid Pereira dos Santos, uma das alunas que também fez solicitações  ao Quero na Escola.

—-

Depois da apresentação já surgiram novos pedidos de estudantes da escola, principalmente relacionados a carreiras profissionais: Medicina e Veterinária, por exemplo. Dê uma olhada na página da escola para conhecer todos os pedidos e se inscrever.