Profissional de TI fala da área e de inovação tecnológica em escola pública de Itapevi

O Quero na Escola estreou em mais uma escola do município de Itapevi – já são quatro com pedidos na região – com um tema que envolve toda a sociedade, mas principalmente os jovens: tecnologia. A solicitação por uma conversa com um profissional de TI foi feita  por Wender Alves Oliveira, aluno do terceiro ano da Escola Estadual Nacif Amin Chalupe, que pretende seguir carreira na área da computação. “Pedi mesmo para mudar a rotina”, contou.

De fato, a apresentação do voluntário Bruno Abdelnur – formado em Ciência da Computação e desenvolvedor mobile – mudou mesmo a dinâmica das duas turmas de terceiro ano. Em cerca de meia hora, ele traçou um panorama das inovações atuais e dos principais agentes de mudança quando se trata de novas tecnologias: Bill Gates, Steve Jobs e Mark Zuckerberg.

Captura de Tela 2017-05-25 às 19.33.26.png
Bruno falou de algumas das invenções de Elon Musk

Porém, foi o quarto personagem mostrado que mais gerou curiosidade: “E aí, vocês sabem quem é esse cara?”, perguntou o voluntário à turma. “Já que a NASA estava sem dinheiro para fazer viagens, esse cara, o Elon Musk, criou a SpaceX. O sonho dele é morar em Marte”, explicou Bruno sobre a trajetória do famoso engenheiro e inventor, comentando também sobre seus projetos de energia solar e carros autodirigidos.

Para mostrar que a conversa  tinha muito mais de presente do que de futuro, Bruno levou seu óculos de realidade virtual para fazer uma demonstração com os alunos interessados. E, claro, foi um sucesso e uma disputa para ver quem usava primeiro os óculos, que passavam uma simulação do espaço, deixando todos se sentindo como astronautas.

PNXP6508.jpg
Até Cristiana, a coordenadora, quis entrar na brincadeira e ver como funcionavam os óculos.

O lado profissional

Sabendo que o pedido dos alunos era mais voltado ao mercado de trabalho de Tecnologia da Informação, Bruno também levou alguns dados sobre os cursos de formação nesse meio e sobre a carreira. “Acho que o ideal é começar com um curso técnico, que já vai te dar alguns conhecimentos básicos de programação, por exemplo, para começar a trabalhar”, comentou. “Depois, o ideal é fazer uma graduação ou especialização, dependendo da área em que quiser atuar”.

Alguns alunos demonstraram interesse em seguir essa carreira, principalmente na parte da computação ligada à eletrônica. ” Amo eletrônica, solda, componentes e circuitos, essas coisas. Fiz um curso de aprendizagem industrial e assistia algumas aulas do Técnico. Gosto muito da parte física, plaquinhas, celular… acho fascinante”, contou Ingrid Pereira dos Santos, uma das alunas que também fez solicitações  ao Quero na Escola.

—-

Depois da apresentação já surgiram novos pedidos de estudantes da escola, principalmente relacionados a carreiras profissionais: Medicina e Veterinária, por exemplo. Dê uma olhada na página da escola para conhecer todos os pedidos e se inscrever.

Estudante da UFScar conversa sobre cotidiano universitário em escola de São Carlos

A estudante do Ensino Médio da Escola Estadual Adail Malmegrim, Larissa Rilary, queria saber o que esperar da próxima etapa da vida. Pediu no Quero na Escola que alguém falassem sobre sobre o cotidiano e os métodos de ingresso nas universidades.

Guilherme está no último ano do curso de de Engenharia de Materias na Universidade Federal de São Carlos (UfsCar), uma das universidades mais renomadas do país e se voluntariou para a conversa. “Ele explicou sobre o ENEM e alguns vestibulares e também disse como funciona o dia a dia na faculdade”, conta Larissa, “também contou um pouco sobre a possibilidade de intercâmbio

Depois da atividade, o futuro engenheiro saiu animado e incentivou que mais pessoas se engajem no projeto:

Captura de Tela 2017-04-18 às 12.07.23

E a Larissa já aproveitou a ocasião para fazer outro pedido: a turma dela está produzindo um documentário sobre a região em que moram e gostariam de alguém para dar dicas de audiovisual. Conhece alguém que poderia ajudar? Veja os pedidos da escola aqui.

É aluno da rede pública e quer algo diferente em sua escola? É só pedir no www.queronaescola.com.br.

Estudantes de Guarulhos conhecem profissões diversas após pedidos no Quero na Escola

Nos dias 23 e 24 de março, a rotina da Escola Estadual Residencial Jardim Bambi foi um pouco diferente. Ao invés de voltar para suas classes depois do intervalo, os alunos do 3º ano do Ensino Médio se juntaram para ouvir profissionais de duas áreas bem diferentes: Gastronomia e Fotografia. Os temas foram pedidos no Quero na Escola pela aluna Hilmara Fernandes, representante do Grêmio Estudantil, que fez uma pesquisa entre os interesses dos estudantes.

Conhecendo cozinhas pelo mundo

Para contar mais sobre a profissão dos cozinheiros profissionais, Joseane Marques contou sua história nesse meio: desde sua adolescência – quando já amava cozinhar – passando pelo curso técnico em Hotelaria, a graduação em Gastronomia e suas experiências profissionais no Brasil e no mundo.

Seus relatos sobre suas vivências em cozinhas de outros países deixaram os alunos bem curiosos. Ela deixou claro que a profissão envolve trabalho duro, muitas vezes em fins de semana e feriados e baixos salários no início da carreira. “Em muitos lugares que fui trabalhar não tinha salário, eram estágios pela experiência mesmo”, ela contou.

Captura de Tela 2017-04-05 às 13.33.36.png
Joseane (à esquerda) com a equipe de um dos restaurantes em que trabalhou na Suécia

E por falar em remuneração, Joseane indicou o caráter elitista da profissão, que tem poucos e caros cursos de graduação de qualidade – mas incentivou que os estudantes buscassem cursos de extensão gratuitos e programas de bolsa. Um desses projetos, é o Gastromotiva, que oferece cursos de capacitação na área para jovens de baixa renda.

Outro ponto ressaltado por ela foi a questão da responsabilidade do profissional da Gastronomia em representar seu país ou a instituição que estuda. “Se eu for para outro país e fizer um trabalho meia-boca posso estar comprometendo outros que vierem depois de mim, vão pensar que os brasileiros em geral são maus profissionais”, explicou ela.

Mais que uma palestra sobre comida, o principal tema da palestra foi a cultura. Mesmo no Brasil, Joseane segue encarando choques culturais: atualmente está trabalhando em um projeto com refugiados árabes. A cozinheira também fez questão de valorizar a culinária brasileira: “A experiência internacional é importante para o currículo, mas tem muitos ingredientes brasileiros que você não encontra fora daqui, nossa culinária é muito rica e diversa e nós precisamos valorizar isso”.

Fotografia além do óbvio

Assim como a Joseane, a paixão da Gabriele Diola por fotografia e audiovisual começou na juventude, aos 16 anos. Hoje ela é formada no Técnico em Processos Fotográficos pelo SENAC e cursa Produção Audiovisual, e resolveu dividir um pouco dessas experiências com os estudantes.

17496298_885997994874006_1247036830_n.png

Gabriele focou sua apresentação na fotografia criativa e reforçou que um dos desafios desse campo é justamente o esforço para criar coisas diferentes. Passou também a ideia de que uma foto é capaz de contar uma história, que vai além de algo meramente técnico. E ela finalizou deixando um desafio para os estudantes: compartilhar com ela. pelas redes sociais, alguma foto de autoria própria que represente uma história e saia do comum.

“Minha relação com a fotografia vai além de trabalho, é um meio de expressão. Hoje, cultivo um canal no YouTube e um Instagram onde compartilho com as pessoas o mundo da forma que vejo e capturo. O que me move dentro da fotografia e do audiovisual é inspirar os outros e ser inspirada”, ela conta. E da atividade, saiu motivada: “A experiência foi incrível, eu fui super bem recebida pela escola e pelos alunos, a palestra foi super bacana e todo mundo interagiu muito. Me pediram pra voltar e eu quero voltar mais vezes!”

Mais pedidos e profissões por vir

Depois dessas atividades, os estudantes da escola demonstraram interesse por outras áreas: Direito, Psicologia, Medicina, Veterinária… E fizeram seus novos pedidos no Quero na Escola. Um médico já se inscreveu para conversar com os estudantes sobre essa profissão.

E outro pedido chamou nossa atenção: Artes Marciais. Como a quadra da escola está em reforma, já faz tempo que a escola não tem aulas de Educação Física e esse esporte seria uma forma de driblar esse problema, utilizando outro espaço. Estamos em busca de praticantes dessas lutas para fazer isso acontecer e movimentar mais um pouco o cotidiano por lá.

Quer ser voluntário realizando uma atividade nessa escola, veja todos os pedidos deles aqui e se inscreva.
É aluno de escola pública e quer atividades assim em sua escola? É só pedir no site: www.queronaescola.com.br.

Texto e acompanhamento: Sabrina Coutinho