Debate sobre LGBT é pautado por exemplos pessoais em escola

“Qual é a sua opinião sobre duas mulheres ou dois homens dando beijos em público, na frente de crianças, por exemplo?” Foi essa a pergunta que acendeu o debate sobre diversidade de gênero na Escola Estadual Antonio Manoel Alves de Lima, no Jardim São Luis, em São Paulo. O questionamento de um estudante foi direcionado ao voluntário do Quero na Escola, Felipe de Paula, advogado e integrante do movimento Vote LGBT, mas antes dele, os próprios colegas começaram a responder.

“Eu acho que o problema é a sexualização das crianças em si. As crianças não devem ser expostas a sexo, na minha família nenhuma criança é sexualizada”, expôs Felix, estudante transexual que fez o pedido pela palestra no Quero na Escola e contou ter passado por dificuldades e preconceito durante seu processo de transição do feminino para o masculino.

“Eu sou gay e já sabia desde pequeno que era, não foi porque eu vi alguém se beijando ou não”, acrescentou um outro estudante. “Sou lésbica e passei a vida assistindo a desenhos e novelas que mostravam casais heterossexuais, então acho que essa ideia não faz muito sentido”, disse uma terceira.

Felipe falou sobre as diversas identidades de gênero e a questão do nome social – nome pelo qual a pessoa prefere ser chamada de acordo com seu gênero, diferente daquele que consta em sua certidão de nascimento. “Alguns professores aqui não respeitaram isso, eu entregava a prova e eles falavam que não iam aceitar por conta do nome”, contou Felix sobre um dos desafios que encarou na escola ao se assumir trans.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Alguns acharam inadequado o beijo homossexual em público, por acreditar que as crianças, ainda em processo de desenvolvimento cognitivo, poderiam ser influenciadas. Outros discordaram e foram dados os exemplos pessoais. Ninguém se ofendeu ou deixou de ouvir o outro em mais de uma hora e meia de discussão até às 22h30.

“Eu pedi esse tema porque é uma coisa que me diz respeito, e muito, ultimamente. Eu senti que minha escola precisava tratar sobre isso, acho que todas as escolas precisam”, contou Felix. “A escola ainda tem um sistema bem fechado para várias coisas, não só nessa questão, e eu espero que ainda aconteçam grandes alterações nesse sentido”.

Antes do encerramento da atividade um professor que acompanhou a atividade compartilhou com o grupo a vontade de parte do corpo docente de criar um grupo contínuo de conversa sobre as questões LGBT dentro da escola e muitos estudantes começaram a colocar suas opiniões. “Eu acho legal ter esse grupo porque não é só com alguém de fora que a gente pode debater isso, mas também em sala de aula”, expôs uma das alunas.

Qualquer estudante de escola pública pode dizer o que gostaria de aprender além do currículo na sua escola no Quero na Escola. Para ver os pedidos existentes e se voluntariar para atender a um deles, clique aqui.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s