Escola parceira do Quero na Escola se destaca por protagonismo dos estudantes

Por Natália Sierpinski

A Escola Estadual Luciane do Espírito Santo, que fica em Lajeado, extrema zona leste de São Paulo, foi a escola com mais atividades recorrentes do Quero na Escola em 2018. A maioria das ações foram realizadas durante os períodos de aulas das disciplinas eletivas, que ocorrem por ser uma unidade que faz parte do Programa de Ensino Integral (PEI). Fomos acompanhar as apresentações que encerraram esse processo no fim do ano e trazemos relatos para ajudar com ideias e inspirações.

Cada projeto estava em uma sala de aula diferente, ficando a critério dos alunos e dos convidados escolherem quais conhecer, na ordem que achassem mais relevantes. Os projetos de eletivas abarcaram diversos temas: gênero e feminismo, história em quadrinhos, corpo humano e primeiros socorros, turismo, arquitetura e engenharia, universo e astronomia, reciclagem, nutrição, educação física, entre outros. Além das salas temáticas, também houve apresentações musicais, uma peça baseada no programa Chaves, por conta dos trabalhos de Turismo e um show com luz negra feito pelo grupo que trabalhou Física.

Ao chegar nas salas, os estudantes responsáveis apresentavam algo sobre ela. Havia falas, dinâmicas, perguntas interativas e várias formas de mediações que foram criadas pelos próprios estudantes para passar adiante os conteúdos que eles haviam aprendido ao longo do ano. As eletivas fazem parte do projeto da escola que visa o protagonismo estudantil e o projeto de vida dos alunos, em que eles são desafiados a pensarem em quais conhecimentos e temas são relevantes para complementar o seu aprendizado. A escola também conta com um grêmio estudantil ativo, alunos líderes de sala e um grupo de 15 alunos acolhedores, que apresentam a instituição para as pessoas novas e fazem integração e acolhimento a outras escolas do entorno.

O evento também realizou uma homenagem a patronesse da escola. Luciane do Espírito Santo foi professora de educação infantil que dedicava sua prática principalmente para os estudantes que apresentavam mais dificuldade de aprendizado, tornando-se um exemplo e sendo muito admirada enquanto profissional. Ela faleceu em 2003, decorrente a um câncer e o nome da escola é uma homenagem ao trabalho que realizou no bairro. A diretora da escola, Cacilda de Souza Lima, falou da importância dos estudantes conhecerem a história de sua escola e sua trajetória. Também em 2018, foi feito um vídeo pelos estudantes sobre esse processo de escolha da patronesse da escola que pode ser conferido aqui.

Durante o ano passado, voluntários do Quero na Escola realizaram nesta unidade atividades sobre Projeto de Vida, Engenharia Civil, Turismo, Recursos Humanos, Engenharia Ambiental, Psicologia, Jornalismo, Medicina Veterinária, Fotografia, Orientação Vocacional, Publicidade e ainda uma palestra sobre descarte correto de pilhas e baterias. Para 2019 já temos novas ações agendadas e também pedidos que aguardam a inscrição de voluntários, como é o caso de Arquitetura e Depressão e Ansiedade.

E você, estudante, se sentiu inspirado a mudar a sua escola? nos mande um pedido por aqui! E para quem se inspirou a ser voluntário encontre um pedido próximo a você e sobre um tema do seu repertório aqui

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Pedido no Quero na Escola vira dia de palestras no teatro municipal de Severínia

Mais de duzentos estudantes, professores e moradores de Severínia, no interior de São Paulo, lotaram o Teatro Municipal da cidade para assistir a três palestras sobre carreiras profissionais no dia 28 de junho. O ponto de partida para o evento foi a inscrição do estudante de Medicina Veterinária da Unesp, Caio Gonçales, ao pedido de um aluno no Quero na Escola.

O voluntário que mora em Rio Preto se sensibilizou porque, além de Severínia ser sua cidade natal para onde ainda costuma voltar nos fins de semana, ele mesmo estudou na Escola Municipal Esmeralda Duarte da Silva durante o ensino fundamental. Quando soube da coincidência, a professora de Artes, Graziele Chianpesan, pensou em chamar outros profissionais que estudaram lá para compartilhar sobre suas profissões. Conseguiu reforço de um profissional de tecnologia da informação e de um procurador de justiça.

O evento foi crescendo e precisou de um espaço maior. Veio a ideia do Teatro. “A diretora nem acreditava que os estudantes iriam sendo fora da escola!”, conta a professora, feliz com o sucesso do evento.

19620498_1904001699858186_3145375563142803826_o.jpg
Teatro Municipal de Severínia lotado para assistir às palestras

A estudante Karoline Cardoso, que assistiu às três palestras, conta ter ficado surpresa com as possibilidades da Medicina Veterinária e se sentiu inspirada após as apresentações:

“Achei importante o fato dos palestrantes terem comentado além de suas carreiras profissionais, alguns fatos de suas vidas pessoais, como ter conseguido alcançar uma boa profissão, tendo estudado em escola pública, o que muita gente acredita que seja impossível”.

Caio conta que viveu diferentes emoções no palco. “Não sei descrever a experiência que tive, um orgulho de voltar ao lugar que ajudou a construir o cidadão que sou hoje, poder passar para os alunos o que aprendi na universidade, mostrar para eles as inúmeras áreas que o médico veterinário pode atuar”. Ele tirou dúvidas em relação as disciplinas da faculdade e falou sobre bem estar animal e como lidar com os bichos. “Foi tudo muito gratificante!”.

Quer ver os outros pedidos que ainda esperam voluntários na EMEF Esmeralda Duarte da Silva? É só entrar na página da escola no site e ver no que pode ajudar.

O Quero na Escola é para o estudante dizer o que mais gostaria de aprender na escola além do grade curricular. Os pedidos ficam a disposição de voluntários que podem querer compartilhar conhecimento sobre aquele assunto. Veja exemplos no site.