Conheça cursinhos pré-vestibular de graça ou com preços simbólicos

Para quem está focado no processo seletivo para o ensino superior, fizemos uma lista de cursinhos preparatórios com vagas abertas para 2019. Muitos estão nos últimos dias de inscrição.

Cursos ligados à Universidade de São Paulo

Cursinho da FEA (Faculdade de Economia e Administração)

As inscrições vão até o dia 31/01. Há taxas de inscrição e matrícula, mas o material é gratuito. Possui prova de entrada. Para mais informações, telefone: (11) 3091-6491

https://www.facebook.com/cursinhofeauspsp/

http://www.cursinhofeausp.com.br

Cursinho da Psicologia

As inscrições online vão até o dia 28/01 pelo site do cursinho. O valor da mensalidade é de R$ 90, com taxa de matrícula no valor de R$ 50. Não possui prova de entrada. Telefone: (11) 94583-1356

https://cursinhodapsico.milharal.org/

Clarice Lispector

As inscrições terminam no dia 29/01 pelo Facebook. Não possui taxa de inscrição ou de de matrícula. O cursinho é mantido pelo Centro Acadêmico da Farmácia.

https://www.facebook.com/cursinhocpcl/

FFLCH (Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas)

A pré-inscrição começa no dia 14/01 e vai até o dia 01/02. A inscrição é presencial e vai do dia 04/2 ao dia 09/2. Possui taxa opcional de matrícula de 50,00. Para mais informações, acesse o Facebook do cursinho.

https://www.facebook.com/cursinhodafflch/

Cursinho da Poli

As inscrições presencialmente vão de 28/01 e 30/01. O valor da inscrição é de R$ 55. Possui prova de entrada. Para mais informações, acesse o site do cursinho.

https://cursinhocpusp.wixsite.com/cpusp

Acepusp (Associação Cultural de Educadores e Pesquisadores da Universidade de São Paulo)

As inscrições devem ser feitas online. Possui taxa de matrícula de R$ 100. O cursinho é pago e os preço das turmas podem ser conferidos pelo site do cursinho. A Acepusp é uma instituição sem fins lucrativos formada por estudantes de diversas universidades públicas brasileiras, como a USP.

https://www.cursinhopopular.com.br/

Outros locais em São Paulo

Cursinho Popular Mafalda

Junto ao metrô Carrão, em São Paulo. É destinado a alunos da rede pública com renda familiar de até 1,5 salários mínimo por pessoa do grupo familiar. É cobrada uma matrícula de R$ 150, mais o material didático, de R$ 90 por semestre. As aulas são aos sábados e começam dia 9/2.

Mais informações em: http://mafaldameraki.org.br/

Em Goiás

Cursinho Faz Arte, da Federal de Goiás

Todos os anos o Cursinho Popular Faz Arte, um projeto ligado à UFG, oferece vagas para jovens de baixa renda. As aulas serão no câmpus Samambaia, a partir de março. Os selecionados precisam pagar um taxa de matrícula, com valor ainda não definido. As inscrições devem ser abertas em fevereiro, então fique atento e acompanhe o facebook do grupo: https://www.facebook.com/ComunidadeFazarte/

No Rio

Pré-vestibular Social Ação

O curso, que funciona nas dependências da Faculdade de Letras da UFRJ, oferece este ano 80 vagas para jovens e adultos de baixa renda, moradores das áreas periféricas da cidade e alunos de escolas públicas. É cobrada uma taxa única, de R$ 25. As inscrições online vão até 2 de fevereiro; depois é preciso fazer uma prova e uma entrevista.

http://pvsacao.wixsite.com/acao/blank-c1ylq

Em Minas

A Associação Educafro oferece um curso de preparação para vestibulares e Enem em seis endereços da capital mineira, além de uma sala na cidade de Contagem. Para tentar uma vaga, é preciso preencher até o dia 31/1 este formulário aqui:

https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLScy_Jh-924ERvP-ClFvXMkcAiSNn1oDeQ-2kX8zHmKPEijaTw/viewform?fbclid=IwAR3rZTg4RH5Ig7nrp91OdYU7Ii5Xp_x_upf38o5bD4kuoFSBoQaeizUjNtI

Vários:

Rede Emancipa

Inscrições abertas em fevereiro com diferentes endereços em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Distrito Federal, Rio Grande do Sul e Pará.

https://redeemancipa.org.br/

Uma dica importante: se na sua cidade há uma universidade pública, procure se informar sobre a existência de um cursinho popular. Embora nem todas tenham, é uma prática bastante comum. Os universitários dão aulas como forma de treinar suas habilidades e retribuir para a sociedade o investimento que está sendo feito pela sua própria educação.

Se você quer incluir alguma outra oportunidade gratuita ou com preço simbólico aqui, escreva para central@queronaescola.com.br

Quer ir além?

Qualquer estudante de escola pública de todo o Brasil pode se inscrever no Quero na Escola e dizer o que mais gostaria de aprender em sua própria escola além do currículo obrigatório. Veja os temas das atividades que já ocorreram aqui e se inscreva em queronaescola.com.br

Anúncios

Estudante da UFScar conversa sobre cotidiano universitário em escola de São Carlos

A estudante do Ensino Médio da Escola Estadual Adail Malmegrim, Larissa Rilary, queria saber o que esperar da próxima etapa da vida. Pediu no Quero na Escola que alguém falassem sobre sobre o cotidiano e os métodos de ingresso nas universidades.

Guilherme está no último ano do curso de de Engenharia de Materias na Universidade Federal de São Carlos (UfsCar), uma das universidades mais renomadas do país e se voluntariou para a conversa. “Ele explicou sobre o ENEM e alguns vestibulares e também disse como funciona o dia a dia na faculdade”, conta Larissa, “também contou um pouco sobre a possibilidade de intercâmbio

Depois da atividade, o futuro engenheiro saiu animado e incentivou que mais pessoas se engajem no projeto:

Captura de Tela 2017-04-18 às 12.07.23

E a Larissa já aproveitou a ocasião para fazer outro pedido: a turma dela está produzindo um documentário sobre a região em que moram e gostariam de alguém para dar dicas de audiovisual. Conhece alguém que poderia ajudar? Veja os pedidos da escola aqui.

É aluno da rede pública e quer algo diferente em sua escola? É só pedir no www.queronaescola.com.br.

Tema da Redação do Enem foi pedido atendido pelo Quero na Escola em duas escolas do Rio

Pelo segundo ano consecutivo, o tema da Redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) coincidiu com pedido de estudantes atendidos no Quero na Escola. Neste ano, dois colégios do Rio de Janeiro receberam palestrantes que debateram a Intolerância Religiosa, o Missionário Mario Way, em outubro, e o Amaro Cavalcanti, em julho.

Whatsapp de aluno que viu a palestra sobre Intolerância
Whatsapp de aluno que viu a palestra sobre Intolerância

A equipe do Quero na Escola está muito satisfeita em ser um canal para os estudantes dizerem o que querem aprender e por esta prática ter provado que os alunos estão interessados em temas importantes para toda a sociedade. Soubemos do tema deste ano por um aluno que, como a maioria dos estudantes de Ensino Médio,  não prestava a prova. Foi emocionante.

No ano passado, com apenas dois meses de idade, o Quero na Escola também antecipou o tema. A pedido de uma aluna, levou feministas para ministrar a palestra Contra Machismo, no extremo sul de São Paulo. Dias depois, o Enem teve como tema da Redação a persistência da violência contra a mulher.

Eliel Silva Valcacio, 18 anos, participou da roda de conversa no Colégio Mario Way com a voluntária Tania Jandira, umbandista e membro da Comissão de Combate à Intolerância Religiosa. “Quando eu olhei o tema fiquei bem mais relaxado, porque já sabia que teria controle sobre o assunto. Eu já tinha uma visão do tema, que devemos ter respeito com todas as religiões, mas a palestra expandiu minha visão, me trouxe informações que eu nunca tinha pesquisado, e me proporcionou uma prova maravilhosa”, contou Eliel.

fraseO colégio aproveitou o evento organizado pelo Quero na Escola e fez um dia inteiro de debates sobre o tema. “Escrevi sobre a liberdade que todos temos de crer ou não em algo e que estamos protegidos pela Constituição, para que todos possam ter a sua crença e conviver em sociedade”, disse o estudante, que está no 3º ano de Ensino Médio e é protestante.

No Colégio Amaro Cavalcante, a professora Monique Sochaczewski Goldfeld, pesquisadora sobre o Oriente Médio, atendeu ao pedido e deu uma aula sobre o clima bélico da região tão sagrada e igualmente complexa.

Luis Fernando Figueiredo, 18 anos, autor do pedido no Amaro Cavalcanti, prestou o Enem e disse que a palestra o ajudou, porque explicou sobre as formas de visão e preconceito com as crenças religiosas alheias. “Como [a redação] foi mais voltada pra intolerância no Brasil eu mencionei as culturas que existem aqui de uma forma geral e os tipos de preconceitos que ocorrem”, disse.

A estudante que pediu a palestra no Mario Way, Bruna Azevedo, 17 anos, perdeu o evento, porque estava viajando. Hoje, enviou uma mensagem à nossa equipe: “Mesmo não tendo participado da palestra, fico feliz por ter escolhido este tema, que com certeza ajudou a muitos no Enem. Fiz a prova ontem e amei o tema. Obrigada mais uma vez pelo trabalho que vocês fazem”.

É interessante reforçar que em ambos os anos não foi a equipe do Quero na Escola que “acertou” o tema, mas sim os estudantes. A plataforma é aberta a pedidos por qualquer assunto e não há sugestão de um tema ou outro, foram os alunos que trouxeram. O que garantiu o atendimento foi o espaço para que fossem protagonistas, a disponibilidade das voluntárias, a quem agradecemos mais um vez, nosso trabalho em conectar todas as pontas e as gestões das escolas por permitirem a participação da sociedade.

É estudante e quer pedir uma aula diferente na sua escola? Peça em www.queronaescola.com.br