Quem tem medo do Lobo Mau? Não estas crianças, que o assopraram até cair!

Quem você convidaria para incrementar suas aulas? Diante da pergunta do Quero na Escola – Especial Professor, nossa parceria com a Fundação SM – a professora Debora Baccaro convidou Lobo Mau. A educadora do Centro de Educação Infantil Silvia Covas, em São Paulo, havia trabalhado algumas histórias com o vilão no primeiro semestre com sua turma de minigrupo. Em vez de medo, as crianças de 3 anos acabaram criando curiosidade e afeto pelo personagem. “Eles fantasiavam o que aconteceu com ele depois de Chapeuzinho e de Os Três Porquinhos”, contou.

Lobo lê as cartinhas preparadas para ele

Guilherme Freire, 17 anos, vestiu uma fantasia completa e fez o Lobo Mau, mas não foi sozinho. Reunidos pela professora Fabia Alvin, vários alunos do Núcleo de Convivência e Ação e do Teatro do Colégio Benjamin Constant participaram. O primeiro passo foi imaginar o que crianças iam perguntar e criar as respostas, depois foram todos juntos à escola, como acompanhantes do Lobo.

O Lobo Mau ganhou abraços, cartinhas de garatujas e, claro, broncas pelas maldades. As crianças disseram a ele como se comportar melhor e Guilherme prometeu que já era um Lobo Bom. Ele e sua turma brincaram de pega-pega, esconde-esconde  e contaram histórias. “Do meu ponto de vista foi maravilhoso, todos os pequeninos felizes me fizeram lembrar da minha época de criança, isso tocou bastante. Uma das coisas que mais me chamou a atenção foi o interesse das crianças pelo personagem, quão isso era realmente importante para eles”, comentou o jovem.

Como o Lobo levou ajudantes, não foi só a turma da professora Debora que pode brincar com ele, mas todas as crianças da Cei, exceto o berçário 1 (os bebês mais novos). “Na hora da saída, todos queriam contar, ‘O Lobo Mau veio aqui!’, ‘Eu brinquei com ele’, ‘Ele não come mais a vovó’, eles vão falar sobre o Lobo por um bom tempo”, comentou a educadora, elogiando o trabalho dos adolescentes. “Eles arrasaram. Brincaram de verdade.”

Veja como as crianças acabaram aprendendo a assoprar com força:

Anúncios

Voluntárias fazem criançada paulistana se mexer – e se divertir!

Professora da educação infantil há 15 anos, Noelle da Silva Santos sabe bem que criança pequena gosta de correr, pular, dançar, enfim, se mexer. Pensando em alegrar seus alunos da Escola Municipal de Educação Infantil Arthur Etzel, na zona norte de São Paulo, ela se inscreveu no Quero na Escola – Especial Professor pedindo atividades físicas. E ganhou o presente em dose dupla, graças às visitas das voluntárias Thais Nascimento Ghendov,  Alessandra Villar e Ligia Taliberti de Andrade.

Thais e Alessandra passaram um dia promovendo atividades ao ar livre

Thais e Alessandra, sócias na empresa chamada Seja Ativo, visitaram a EMEI no dia 6, promovendo atividades ao ar livre nos períodos da manhã e da tarde. Mais de 300 crianças participaram do evento, que teve percursos com obstáculos, rodas e muita dança. “Todos ficaram muito felizes e foi muito divertido. Essa era a intenção principal: que tudo fosse divertido aos pequenos”, disse Thais.

Na semana seguinte, no dia 11, foi a vez da voluntária Ligia comandar a diversão – e também o aprendizado. Ligia, que é professora de educação física, levou atividades físicas lúdicas que podem ser desenvolvidas em ambiente fechado. “Fiquei feliz em realizar a atividade. Percebi nas crianças muita empolgação e concentração”, conta. As professoras da EMEI assistiram a tudo para poderem aprender e multiplicar a proposta.

A presença da sociedade de maneira positiva dentro da escola pública é uma forma de mostrar que Noelle tem apoio e respeito no seu trabalho diário pela educação, ou seja, nosso objetivo com o Quero na Escola – Especial Professor, parceria com a Fundação SM. “Acredito na educação como ferramenta de transformação do mundo. Escolhi a escola pública porque o lugar de se fazer cumprir direitos é lá. O meu lugar é lá, ao lado dos meus iguais, na busca de um mundo mais justo”, afirma. Estamos com você, Noelle! Parabéns!

Professores de São Bernardo ganham show particular

Como presente para o Dia dos Professores, a coordenadora da Escola Municipal de Ensino Básico Vereador Gervasio Paz Folha, de São Bernardo do Campo, queria homenagear sua equipe pelo trabalho que realizam diariamente, durante todo o ano. Para concretizar sua ideia, ela se inscreveu no Quero na Escola – Especial Professor pedindo um show particular dentro da escola. E foi atendida!

Pai e filho, os músicos Sérgio e Alexandre Lima se apresentaram por cerca de duas horas,
no intervalo do almoço do dia 20. A equipe inteira da escola, cerca de 50 pessoas,
participou do evento. “Agradecemos aos músicos e ao Quero na Escola, que
proporcionaram esse momento tão gostoso. Abrilhantou nossa homenagem aos
professores”, disse Débora após o show. “Houve muita interação, as professoras dançaram, cantaram junto”, conta.

Os voluntários também ficaram felizes com a experiência. “É um prazer poder homenagear os profissionais mais importantes de nosso país. Dizem que no Japão o único profissional que não se curva diante do imperador é o professor – e gosto de lembrar essa história para trazer a importância dessa carreira tão bonita”, diz Sérgio.

O Quero na Escola – Especial Professor é uma parceria com a Fundação SM, que já está na segunda edição e é finalizado no mês dos professores. com atividades como esta. Aos professores de todo o País, nossos agradecimentos e aplausos.

IMG_2552e

Protagonismo juvenil abre Quero na Escola – Especial Professor 2017

“Como estimular o protagonismo juvenil nos estudantes?”, a pergunta da professora Vânia Elizabeth Ferreira resultou na primeira atividade do Quero na Escola – Especial Professor, projeto desenvolvido em parceria com a Fundação SM para que, no mês dos professores, eles também recebam voluntários para tratar dos temas que gostariam de ver na escola. A resposta à indagação veio em uma dinâmica para alunos e professores da Escola Municipal Israel Pinheiro, em Belo Horizonte, capital de Minas Gerais.

Brenda na conversa inicial sobre o que é protagonismo. Foto: Flavio Tavares

Quem promoveu a atividade voluntariamente foi Brenda Maia, que participa do coletivo Embaixadores de Minas. Na segunda-feira, a escola reuniu 15 alunos e três professores para recebê-la. Depois de conversar sobre a valorização da fala de cada um, de ouvir e de compartilhar sentimentos, ela os colocou em uma posição de escuta e fala alternada. “Fizemos uma roda de escuta com os alunos, no formato aquário de conversação, para valorizar a voz do outro, para entender que ser protagonista é saber sua história, identificar problemas e propor soluções”, explica.

A dinâmica consiste em colocar as pessoas sentadas em roda e apenas uma pessoa posicionada no centro. Quem tem a vez da fala? Isso mesmo, somente quem está sentada no centro. Esse é o momento de expressar-se e dizer aquilo que deseja falar sobre o assunto colocado.

A voluntária procurou puxar possíveis problemas que os adolescentes encontram em seu dia-a-dia na escola. Alguns assuntos renderam mais, como Bullying, por exemplo.

Dinâmica que estimulou fala e escuta chegou a causar emoção. Foto: Flavio Tavares

A professora Renata Karine Lacerda, uma das participantes, deu um depoimento sobre o que achou: “A forma que a Brenda conduziu a dinâmica foi maravilhosa. Quebrou a timidez de alguns, envolvendo a todos. Logo, o grupo se identificou com a atividade. Ela conseguiu abordar temas importantes e de forma diferente do que fazemos no dia a dia escolar”, conta. E conclui: “Vamos utilizar esse aprendizado em sala de aula.”

O Quero na Escola – Especial Professor está com inscrições de educadores abertas desde julho e aceita cadastros até esta sexta-feira, dia 6. Durante todo o mês de outubro, voluntários de diversos segmentos da sociedade conhecerão seus professores presenteados e escolas públicas pelo País.

Participaram 15 estudantes, além de professores da Escola Municipal Israel Pinheiro, em Belo Horizonte. Foto: Flavio Tavares

Está aberta a segunda edição do Quero na Escola Especial Professor

Estão abertas as inscrições para a segunda edição do Quero na Escola – Especial Professor, uma parceria com a Fundação SM para que os educadores também possam pedir a participação da sociedade na escola. A partir de hoje, 18 de julho, profissionais de escolas públicas de todo o Brasil podem solicitar aulas, atividades e visitas de especialistas. Pode ser para ensinar algo aos próprios professores ou para promover uma atividade aos estudantes.

Os pedidos serão divulgados para pessoas que entendem do assunto e gostariam de promover uma atividade sobre isso na escola. Em outubro, mês dos professores, esperamos que a presença da comunidade possa diversificar o cotidiano dos educadores e retribuir um pouco da dedicação que empregam diariamente à educação.

Na primeira edição, em 2016, professores de 26 cidades em 14 estados fizeram pedidos que resultaram em atividades para 700 pessoas dentro de escolas públicas.

Ao se inscrever em queronaescola.com.br/professor, o educador diz em que área atua e o que gostaria de aprender ou levar à sua escola. Podem ser aulas sobre um software ou alguma arte, uma atividade esportiva ou cultural, como também pode ser um profissional que enriqueça um projeto da escola ou da sua turma. E pode ser também algo que a gente não anteviu, mas você, que vive o cotidiano da escola, sabe que seria interessante. O que é? Pede aqui!

Vocação para algo é muita vontade de fazer algo, define ator a alunos

Ator para conversar com os alunos sobre teatro”. Este foi o convite que bastou para levar Caio Marinho, ator e cenógrafo, a conversar com estudantes de 7º ano da Escola Estadual Anne Frank, em São Miguel Paulista, em outubro. As perguntas mais inocentes foram as primeiras: você pode chorar sem estar triste? O beijo é de verdade? Tem que ser “sem vergonha” (desinibido) para ser ator?

Caio explicou com exemplos e comparações. “Saber chorar eu sei, mas fazemos isso dentro da necessidade, como um médico faz a cirurgia, é da profissão e tem um propósito”, respondeu à primeira pergunta. Depois perguntou se eles considerariam beijo de verdade, mesmo com todas as câmeras e o fato dos atores estarem preocupados com várias outras coisas durante, como a posição em relação à plateia ou à câmera, o texto seguinte e como exatamente é para fazer o beijo. “Se for alguém que você realmente queria beijar, vai ter de tentar depois.”

Caio chegando a EE Anne Frank, em São Miguel Paulista
Caio chegando a EE Anne Frank, em São Miguel Paulista

Já sobre alguém tímido poder ser ator, a resposta foi mais complexa. Caio contou que é tímido e que, ao entrar ali na escola, por exemplo, sentiu timidez, mas quando está no palco ou diante das câmeras, é trabalho. “É um trabalho que me ajudou a vencer a timidez também e me colocar para diversas situações importantes”, completou e contou que, quando adolescente, teve a mesma dúvida e foi influenciado por um professor.

Eu tinha muita vontade desde sempre de ser ator, mas me perguntava se tinha vocação e e ele me falou uma coisa que me marcou muito e digo a vocês: estas palavras são uma só, vocação é vontade. Se você tem muita vontade, vai se dedicar e vai ser bom naquilo.” Caio acabou fazendo curso técnico na área, se formou pelo Teatro Macunaíma e em Licenciatura em Arte-Teatro na Unesp. Hoje atua em teatro com A Próxima Companhia e também participou do longa “O Rei das Manhãs”, previsto para estrear em 2017. 

A visita foi um pedido do professor de Língua Portuguesa, Mario Rocha, durante o Quero na Escola – Especial Professor, ação em parceria com a Fundação SM, em que os professores puderam pedir visitas. “Meus alunos são ótimos e queria que eles tivessem acesso a alguém que falasse de um ponto de vista diferente do que estão acostumados”, comentou.

Caio falou com duas salas diferentes e a maioria dos estudantes de cerca de 13 anos nunca havia ido ao Teatro. Os que foram, tinha sido levados pela família a peças no Centro de São Paulo. Caio listou teatros na zona leste e até mesmo centro culturais com cursos para estudantes como os da Fábrica de Cultura. “Fiquei muito feliz. Recebemos uma visita ilustre na escola, tenho certeza que plantou novas ideias na cabeça dos alunos”, comentou Mario.

Gostaria de receber uma visita de um profissional na sua escola?
Peça no Quero na Escola!

Grafiteiros levam arte urbana para os corredores de escola pública no Ipiranga

Quem mora em São Paulo está acostumado a ver muros grafitados por toda a cidade. Pensando no interesse que os jovens têm por essa arte, a coordenadora da Escola Estadual Antônio Alcântara Machado, Laura do Amaral, resolveu levá-la para dentro da escola, pedindo ajuda de grafiteiros voluntários através do Quero na Escola – Especial Professor.

O pedido foi logo atendido por dois artistas de lados diferentes da cidade, o Vitones Gomes, vindo de Pirituba, e o Cayque Torres, que mora mais próximo, na Vila Ema. Os dois começaram com uma visita à escola para bater um papo com Laura e definir quais portas seriam pintadas. No encontro seguinte, no dia 10 de outubro, foi dia de colocar a mão-na-massa.

Vitones foi o primeiro a colocar os sprays de tinta para funcionar e desenhar seu personagem, o One, em uma das portas. Ele conta que começou a desenvolver o menino, que aparece na maioria de suas obras, depois de um trabalho com crianças na Baixada do Glicério, bairro do centro de São Paulo: “Eu adorava ver elas fazendo os bonecos-palito. Elas achavam que desenhavam mal, mas eu achava demais”. 

onevitones
Vitones finalizando o cenário do personagem One

Depois foi a vez do Cayque colorir o corredor. Ele explicou que nem todos os grafiteiros usam apenas spray em seus trabalhos, alguns utilizam tinta e pincel, principalmente para detalhes. Em seu caso, a tinta látex e os pincéis são as principais ferramentas, usando as paredes e muros como telas. Depois de um período pintando águas-vivas pela cidade, sua nova marca registrada é a coruja, que ainda não recebeu um nome.

“Foi super nostálgico pintar numa escola, é uma situação que eu não imaginava passar”, compartilhou o artista, que também contou ter sido marcante pintar ao som do sinal da escola, que tocava de tempos em tempos. “É um lugar que forma as pessoas e até coloca as pessoas dentro de uma forma, e eu exercendo uma atividade fora da caixinha: achei subversivo”, ele diz.

cayquepintando
Cayque trabalhando nos detalhes de sua coruja

Cayque contou também que não teve esse tipo de contato com a arte dentro da escola: “A gente tá dando uma oportunidade dos jovens alcançarem essa nova filosofia de rua, da arte, do pincel na lata. Eu como artista tive que procurar isso na rua e hoje pude dar a chance dessas crianças terem contato com isso a partir da escola, é muito gratificante”.

E não foi à toa que a coordenadora fez esse pedido: “Aqui tem essa coisa do desenho, os alunos gostam muito de desenhar e o graffiti pode ser um jeito de evitar a pichação. Alguns podem até querer seguir nessa área, é uma forma de a gente entender e valorizar o trabalho deles”, diz Laura, alinhada aos pensamentos de Cayque. 

Depois destes encontros, os artistas não querem parar nas portas e já sonham em um evento para grafitar também o pátio e o muro da escola. Para isso, Vitones sugeriu que os alunos poderiam participar dessa produção definindo os temas para guiar as obras.

A boa notícia é que a coordenadora já pensava em um show de talentos na escola, envolvendo toda a comunidade escolar: “Daí a ideia de vir os grafiteiros, para também ensinar os alunos e grafitar o pátio. Também temos um pessoal que corta cabelo, o pessoal do skate… nesse dia poderia ter um trabalho na quadra com quem anda de skate”, conta Laura, exaltando as aptidões de seus alunos.

A coordenadora Laura soube do Quero na Escol depois do pedido de uma aluna, que começará a ser atendido nesta semana. Na próxima quinta-feira, a atriz Luci Savassa inicia uma oficina de teatro com os estudantes da escola, que ocorrerá semanalmente até o fim do ano letivo. 

O Quero na Escola Professor é uma parceria com a Fundação SM.

É estudante e quer pedir uma aula ou atividade diferente na sua escola? É só se cadastrar: www.queronaescola.com.br

Voluntário fala de tecnologia a professores e acaba ouvindo outras inovações

Ensino híbrido, personalizado, por rotação… esses foram alguns dos conceitos apresentados para os professores da Escola Estadual Myrthes Therezinha Assad Villela, no município de Barueri, Grande São Paulo atendendo a um pedido da coordenadora pedagógica por uso de tecnologia na sala de aula no Quero na Escola – Especial Professor. Marcos Soledade, formado em Sistemas de Informação pela USP, co-fundador da plataforma Sílabe e empreendedor há mais de cinco anos, dividiu com os docentes formas de usar dados na educação, entre outras dicas.

A conversa girou em torno do que seria a “educação contemporânea” e de metodologias inovadoras que podem auxiliar o professor a engajar seus alunos. Como, por exemplo, a “Sala de aula invertida”, prática que consiste em pedir para que os alunos preparem algo sobre determinado tema antes de uma aula, depois verificar o que foi preparado, conseguindo um diagnóstico do quanto os alunos sabem daquele assunto e apresentar conteúdos que tenham faltado nessa pesquisa e, por fim, pedir uma nova atividade, após a aula expositiva, para consolidar o aprendizado sobre o tema.

Essa e diversas outras práticas mostram que, para ser inovador, não necessariamente um professor precisa ser digital. A professora de Matemática Noeli Fatima dos Reis, que era ali a “aluna”, mostrou-se uma prova disso: “Eu trabalho em grupos, não gosto de aluno enfileirado. Em todas as minhas atividades eu colho pontuações, não é avaliação. Isso cria uma competição amigável na sala”, contou ela sobre as atividades que já aplica em sua sala de aula.

img_5819
Marcos deu a palestra duas vezes, para atender um maior número de professores

Ela contou ainda que a autorregulação vai além da disciplina: os mais avançados na matéria, ajudam aqueles que ainda não compreenderam todo o conteúdo, deixando Noeli mais livre para se dedicar aos alunos com mais dificuldade de interação e aprendizado. “Os próprios alunos começam a ajudar e cobrar uns aos outros para não ficar para trás nesse placar”, ela diz. “Também diversifico, não fico restrita à atividade daquele ano. Faço paralelos entre matérias para recuperar alguns conteúdos de forma contínua”, mostrando sua versatilidade como docente.

Além disso, ela resolveu abolir a avaliação tradicional para o último bimestre: “Eu pedi pra eles uma entrevista e pesquisa. Eles vão jogar na tabela os dados e fazer gráficos de setor e de barras. Aí, na hora da aula, vão fazer o comentário das entrevistas, como foi, o que a pessoa disse. Eles vão arrumar os dados, e eu vou orientá-los como organizar: estatística, né?”, conta Noeli, revelando mais um método inovador que aplica dentro de suas possibilidades.

Mas, quando o assunto é passar essa metodologia para o digital, ela lamenta: “Não tenho habilidade com informática, então não tenho autonomia para passar para eles. E eu acho que me ajudaria muito, porque eles fariam essa tabela no Excel, que já geraria os gráficos automaticamente”, conclui a professora, que está contando com a ajuda do cunhado para aplicar essas tecnologias em suas aulas.

A professora Tatiane Constanço da Cruz, de Sociologia, também dividiu alguns métodos diferentes dos tradicionais que usa em suas aulas: “Por exemplo, fui dar uma aula sobre a indústria cultural, sobre música, e um aluno me perguntou se podia ouvir música. Eu deixei e, daqui a pouco todo mundo tava com fone, escutando música, quietinho, fazendo a atividade”, conta. Ela também usa uma ferramenta digital para planejar suas aulas e criou um grupo no Facebook para trocar dicas e informações relevantes à aula com seus alunos: “a gente compartilha tirinhas, questões e dicas de vestibular”.

Marcos mostrou algumas das funcionalidades da plataforma que desenvolveu, a Sílabe, que tem como principal público os professores e as escolas públicas. Os docentes se mostraram interessados, ainda que indicando as dificuldades de aplicar as novas tecnologias, por falta de estrutura das escolas e de formação dos professores. Cristiane Barbosa, por exemplo, que dá aulas de Física, gosta de mostrar aos alunos simulações de experimentos, mas os programas que usa para essas demonstrações não rodam no computador da escola. “É bom porque eu acabo indicando sites e vídeos para os alunos, e com essa plataforma eu conseguiria juntar tudo em um lugar só”.

Para o voluntário, a troca de experiências do encontro também foi enriquecedora. “Eu não sabia o que esperar. Apesar de eu já ter algum contato com escolas, são sempre escolas que entram em contato com a gente porque já conhecem o que a gente faz e que, geralmente, já usam metodologias inovadoras”, ele conta. “Mas foi incrível. Primeiro porque você consegue coletar feedback dos professores, o que é essencial.  E segundo porque os professores que você menos espera estão fazendo coisas super legais, mesmo em uma escola pública, com poucos recursos.”

O bate-papo foi o segundo encontro sobre o tema, atendendo ao pedido da coordenadora Kelly Cunha Lopes no Quero na Escola Especial Professor, parceria com a Fundação SM, que deu de presente para os educadores a presença de pessoas para ajudá-los no que pediram no Mês dos Professores. O grupo já havia recebido o também professor Ricardo Nunes, que falou sobre o uso das ferramentas do Google em sala de aula.

A Escola Estadual Myrthes Therezinha Assad Villela tem diversos pedidos de alunos esperando para ser atendidos.

Todo estudante de escola pública pode se cadastrar e dizer o que gostaria de aprender na sua escola. Um voluntário pode querer ajudar. Cadastre-se www.queronaescola.com.br

Alunos de Fortaleza fazem jornada do herói com três poderes que todos podem ter

O Quero na Escola estreou na região Nordeste de um jeito diferente, atendendo um pedido de professor, mas com uma atividade para os alunos. A professora de Língua Portuguesa Glaucia Gonçalves, da Escola Estadual Dom Antônio de Almeida Lustosa, de Fortaleza,  pediu ajuda para inserir os alunos no processo de ensino e aprendizagem, ou seja, dar margem ao protagonismo deles. E seus alunos da escola  se viram inseridos em um game que exercitou três “superpoderes”: empatia, resiliência e persistência.

11102016-20161011_142228Quem atendeu ao pedido foi o jovem Elvis Alves, de 24 anos, um dos fundadores da Social Brasilis, uma organização não-governamental de Fortaleza que procura fomentar o empoderamento de pessoas através do empreendedorismo social e da tecnologia. Ele soube da demanda pelo Quero na Escola – Especial Professor, parceria com a Fundação SM, que levou a presença de especialistas para as escolas no Mês dos Professores.

A atividade começou com os alunos sendo apresentados em três grupos e cada um tinha um dom: empatia, resiliência e persistência. O grupo da empatia, sem o uso da fala, precisava ajudar, por meio de mímicas, o grupo da resiliência. Estes, de costas para a cena, teriam que a guiar o grupo da persistência a chegar a um destino: a lousa. A cada novo aluno, o caminho ganhava novos obstáculos e a rota teria que ser refeita. Mas, unidos e usando seus poderes, todos conseguiram transpor as dificuldades e cumprir a tarefa no tempo determinado.

A Oficina de Herói, ministrada por Elvis, é inspirada na Jornada do Herói. Trata-se de um conceito criado por Joseph Campbell, estudioso norte-americano de mitologia e religião comparada. Neste conceito, Campbell cria um modelo de como seria o passo a passo do percurso de transformação do homem comum em herói, com todas as provações que surgem no meio do caminho.

Elvis está trabalhando no desenvolvimento de um game, batizado de “Olhares” e que encontra-se em fase de validação. O objetivo do jogo é estimular o protagonismo social de atores e líderes com foco em escolas. “A ideia é fomentar o protagonismo social do jovem em uma narrativa ‘gameficada’ onde eles vão ter que contar uma história usando artes visuais e seus talentos”, explica o voluntário.

oficina-fortaleza
A professora Glaucia com seus alunos (Reprodução: Facebook)

A professora Gláucia avaliou como “maravilhoso” o resultado. “Tudo que a gente der que fomente a autoestima deles, que faça com que eles acreditem que as pessoas os escutam, que eles têm voz, é importante. Eles saem daqui orgulhosos. Estou satisfeitíssima. Emocionada até, porque eles estão orgulhosos de se sentirem heróis. Estão protagonizando e isso é muito bom”, afirma a professora.

Mais visitas

Como toda jornada tem começo, meio e fim, a oficina foi a primeira de um total de três etapas do jogo. “A primeira é ‘Quem é o herói’, a descoberta da pessoa, o chamado; que envolve toda aquela etapa da Jornada do Herói, que está no mundo dele e recebe um chamado. Nessa etapa, o aluno vai conhecendo a suas potencialidades”, diz Elvis.

Os alunos da Escola Dom Lustosa vão receber uma nova missão necessária para a segunda fase, que se chama “Desvendando o mundo”. “Nessa segunda etapa, a gente joga o participante para conhecer o mundo, pois todo herói tem um lugar que cuida, que preserva. A escolha é dele. A gente trabalha o sentido de comunidade. A ideia é que ele vá conhecer essa comunidade. Ele pode fazer entrevistas, fotos, conversar com as pessoas e trazer relatos”, exemplifica.

11102016-20161011_143923Na fase final, que Elvis deu o nome provisório de ‘combatendo adversidades’, o participante deverá desenvolver uma ação prática nessa comunidade. “Esse é um jogo para que o participante consiga realizar toda uma etapa de herói. A ideia é que ele passe por uma jornada, onde ele vai se conhecendo até desenvolver uma habilidade para que consiga, pelo menos, algum impacto social, nem que seja mínimo. A ideia é que o jogo seja um fomento, uma base para que ele se estimule”, afirma o voluntário.

Uma jornada que começou durante o Quero na Escola Especial Professor e seguirá por mais dois encontros presenciais na escola.

O Quero na Escola – Especial Professor foi viabilizado com a parceria da Fundação SM e permitiu que os educadores pedissem ajuda e recebessem voluntários em outubro, Mês dos Professores. Os estudantes podem fazer o mesmo o ano inteiro.

Para conhecer melhor e ajudar a desenvolver outros tantos projetos como esse, em escolas públicas pelo Brasil, conheça e apóie o trabalho do Quero na Escola. Se você está em uma escola e quer fazer um pedido especial como o da Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Dom Antônio de Almeida Lustosa, se inscreva agora mesmo na plataforma.

Texto e fotos: Carmen Pompeu