Quem tem medo do Lobo Mau? Não estas crianças, que o assopraram até cair!

Quem você convidaria para incrementar suas aulas? Diante da pergunta do Quero na Escola – Especial Professor, nossa parceria com a Fundação SM – a professora Debora Baccaro convidou Lobo Mau. A educadora do Centro de Educação Infantil Silvia Covas, em São Paulo, havia trabalhado algumas histórias com o vilão no primeiro semestre com sua turma de minigrupo. Em vez de medo, as crianças de 3 anos acabaram criando curiosidade e afeto pelo personagem. “Eles fantasiavam o que aconteceu com ele depois de Chapeuzinho e de Os Três Porquinhos”, contou.

Lobo lê as cartinhas preparadas para ele

Guilherme Freire, 17 anos, vestiu uma fantasia completa e fez o Lobo Mau, mas não foi sozinho. Reunidos pela professora Fabia Alvin, vários alunos do Núcleo de Convivência e Ação e do Teatro do Colégio Benjamin Constant participaram. O primeiro passo foi imaginar o que crianças iam perguntar e criar as respostas, depois foram todos juntos à escola, como acompanhantes do Lobo.

O Lobo Mau ganhou abraços, cartinhas de garatujas e, claro, broncas pelas maldades. As crianças disseram a ele como se comportar melhor e Guilherme prometeu que já era um Lobo Bom. Ele e sua turma brincaram de pega-pega, esconde-esconde  e contaram histórias. “Do meu ponto de vista foi maravilhoso, todos os pequeninos felizes me fizeram lembrar da minha época de criança, isso tocou bastante. Uma das coisas que mais me chamou a atenção foi o interesse das crianças pelo personagem, quão isso era realmente importante para eles”, comentou o jovem.

Como o Lobo levou ajudantes, não foi só a turma da professora Debora que pode brincar com ele, mas todas as crianças da Cei, exceto o berçário 1 (os bebês mais novos). “Na hora da saída, todos queriam contar, ‘O Lobo Mau veio aqui!’, ‘Eu brinquei com ele’, ‘Ele não come mais a vovó’, eles vão falar sobre o Lobo por um bom tempo”, comentou a educadora, elogiando o trabalho dos adolescentes. “Eles arrasaram. Brincaram de verdade.”

Veja como as crianças acabaram aprendendo a assoprar com força:

Anúncios

Voluntárias fazem criançada paulistana se mexer – e se divertir!

Professora da educação infantil há 15 anos, Noelle da Silva Santos sabe bem que criança pequena gosta de correr, pular, dançar, enfim, se mexer. Pensando em alegrar seus alunos da Escola Municipal de Educação Infantil Arthur Etzel, na zona norte de São Paulo, ela se inscreveu no Quero na Escola – Especial Professor pedindo atividades físicas. E ganhou o presente em dose dupla, graças às visitas das voluntárias Thais Nascimento Ghendov,  Alessandra Villar e Ligia Taliberti de Andrade.

Thais e Alessandra passaram um dia promovendo atividades ao ar livre

Thais e Alessandra, sócias na empresa chamada Seja Ativo, visitaram a EMEI no dia 6, promovendo atividades ao ar livre nos períodos da manhã e da tarde. Mais de 300 crianças participaram do evento, que teve percursos com obstáculos, rodas e muita dança. “Todos ficaram muito felizes e foi muito divertido. Essa era a intenção principal: que tudo fosse divertido aos pequenos”, disse Thais.

Na semana seguinte, no dia 11, foi a vez da voluntária Ligia comandar a diversão – e também o aprendizado. Ligia, que é professora de educação física, levou atividades físicas lúdicas que podem ser desenvolvidas em ambiente fechado. “Fiquei feliz em realizar a atividade. Percebi nas crianças muita empolgação e concentração”, conta. As professoras da EMEI assistiram a tudo para poderem aprender e multiplicar a proposta.

A presença da sociedade de maneira positiva dentro da escola pública é uma forma de mostrar que Noelle tem apoio e respeito no seu trabalho diário pela educação, ou seja, nosso objetivo com o Quero na Escola – Especial Professor, parceria com a Fundação SM. “Acredito na educação como ferramenta de transformação do mundo. Escolhi a escola pública porque o lugar de se fazer cumprir direitos é lá. O meu lugar é lá, ao lado dos meus iguais, na busca de um mundo mais justo”, afirma. Estamos com você, Noelle! Parabéns!

Professores de São Bernardo ganham show particular

Como presente para o Dia dos Professores, a coordenadora da Escola Municipal de Ensino Básico Vereador Gervasio Paz Folha, de São Bernardo do Campo, queria homenagear sua equipe pelo trabalho que realizam diariamente, durante todo o ano. Para concretizar sua ideia, ela se inscreveu no Quero na Escola – Especial Professor pedindo um show particular dentro da escola. E foi atendida!

Pai e filho, os músicos Sérgio e Alexandre Lima se apresentaram por cerca de duas horas,
no intervalo do almoço do dia 20. A equipe inteira da escola, cerca de 50 pessoas,
participou do evento. “Agradecemos aos músicos e ao Quero na Escola, que
proporcionaram esse momento tão gostoso. Abrilhantou nossa homenagem aos
professores”, disse Débora após o show. “Houve muita interação, as professoras dançaram, cantaram junto”, conta.

Os voluntários também ficaram felizes com a experiência. “É um prazer poder homenagear os profissionais mais importantes de nosso país. Dizem que no Japão o único profissional que não se curva diante do imperador é o professor – e gosto de lembrar essa história para trazer a importância dessa carreira tão bonita”, diz Sérgio.

O Quero na Escola – Especial Professor é uma parceria com a Fundação SM, que já está na segunda edição e é finalizado no mês dos professores. com atividades como esta. Aos professores de todo o País, nossos agradecimentos e aplausos.

IMG_2552e

Protagonismo juvenil abre Quero na Escola – Especial Professor 2017

“Como estimular o protagonismo juvenil nos estudantes?”, a pergunta da professora Vânia Elizabeth Ferreira resultou na primeira atividade do Quero na Escola – Especial Professor, projeto desenvolvido em parceria com a Fundação SM para que, no mês dos professores, eles também recebam voluntários para tratar dos temas que gostariam de ver na escola. A resposta à indagação veio em uma dinâmica para alunos e professores da Escola Municipal Israel Pinheiro, em Belo Horizonte, capital de Minas Gerais.

Brenda na conversa inicial sobre o que é protagonismo. Foto: Flavio Tavares

Quem promoveu a atividade voluntariamente foi Brenda Maia, que participa do coletivo Embaixadores de Minas. Na segunda-feira, a escola reuniu 15 alunos e três professores para recebê-la. Depois de conversar sobre a valorização da fala de cada um, de ouvir e de compartilhar sentimentos, ela os colocou em uma posição de escuta e fala alternada. “Fizemos uma roda de escuta com os alunos, no formato aquário de conversação, para valorizar a voz do outro, para entender que ser protagonista é saber sua história, identificar problemas e propor soluções”, explica.

A dinâmica consiste em colocar as pessoas sentadas em roda e apenas uma pessoa posicionada no centro. Quem tem a vez da fala? Isso mesmo, somente quem está sentada no centro. Esse é o momento de expressar-se e dizer aquilo que deseja falar sobre o assunto colocado.

A voluntária procurou puxar possíveis problemas que os adolescentes encontram em seu dia-a-dia na escola. Alguns assuntos renderam mais, como Bullying, por exemplo.

Dinâmica que estimulou fala e escuta chegou a causar emoção. Foto: Flavio Tavares

A professora Renata Karine Lacerda, uma das participantes, deu um depoimento sobre o que achou: “A forma que a Brenda conduziu a dinâmica foi maravilhosa. Quebrou a timidez de alguns, envolvendo a todos. Logo, o grupo se identificou com a atividade. Ela conseguiu abordar temas importantes e de forma diferente do que fazemos no dia a dia escolar”, conta. E conclui: “Vamos utilizar esse aprendizado em sala de aula.”

O Quero na Escola – Especial Professor está com inscrições de educadores abertas desde julho e aceita cadastros até esta sexta-feira, dia 6. Durante todo o mês de outubro, voluntários de diversos segmentos da sociedade conhecerão seus professores presenteados e escolas públicas pelo País.

Participaram 15 estudantes, além de professores da Escola Municipal Israel Pinheiro, em Belo Horizonte. Foto: Flavio Tavares