Quem tem medo do Lobo Mau? Não estas crianças, que o assopraram até cair!

Quem você convidaria para incrementar suas aulas? Diante da pergunta do Quero na Escola – Especial Professor, nossa parceria com a Fundação SM – a professora Debora Baccaro convidou Lobo Mau. A educadora do Centro de Educação Infantil Silvia Covas, em São Paulo, havia trabalhado algumas histórias com o vilão no primeiro semestre com sua turma de minigrupo. Em vez de medo, as crianças de 3 anos acabaram criando curiosidade e afeto pelo personagem. “Eles fantasiavam o que aconteceu com ele depois de Chapeuzinho e de Os Três Porquinhos”, contou.

Lobo lê as cartinhas preparadas para ele

Guilherme Freire, 17 anos, vestiu uma fantasia completa e fez o Lobo Mau, mas não foi sozinho. Reunidos pela professora Fabia Alvin, vários alunos do Núcleo de Convivência e Ação e do Teatro do Colégio Benjamin Constant participaram. O primeiro passo foi imaginar o que crianças iam perguntar e criar as respostas, depois foram todos juntos à escola, como acompanhantes do Lobo.

O Lobo Mau ganhou abraços, cartinhas de garatujas e, claro, broncas pelas maldades. As crianças disseram a ele como se comportar melhor e Guilherme prometeu que já era um Lobo Bom. Ele e sua turma brincaram de pega-pega, esconde-esconde  e contaram histórias. “Do meu ponto de vista foi maravilhoso, todos os pequeninos felizes me fizeram lembrar da minha época de criança, isso tocou bastante. Uma das coisas que mais me chamou a atenção foi o interesse das crianças pelo personagem, quão isso era realmente importante para eles”, comentou o jovem.

Como o Lobo levou ajudantes, não foi só a turma da professora Debora que pode brincar com ele, mas todas as crianças da Cei, exceto o berçário 1 (os bebês mais novos). “Na hora da saída, todos queriam contar, ‘O Lobo Mau veio aqui!’, ‘Eu brinquei com ele’, ‘Ele não come mais a vovó’, eles vão falar sobre o Lobo por um bom tempo”, comentou a educadora, elogiando o trabalho dos adolescentes. “Eles arrasaram. Brincaram de verdade.”

Veja como as crianças acabaram aprendendo a assoprar com força:

Anúncios