Uma aula de jiu jtsu com afeto e um policial como educador voluntário

“Eu sou faixa preta de Jiu-jitsu e estou concluindo o bacharelado em educação física neste ano”. Foi com esta descrição inicial que Alexandre Felix se cadastrou no Quero na Escola para atender ao pedido por Artes Marciais dos estudantes da Escola Estadual Residencial Jardim Bambi, em Guarulhos, Grande São Paulo. Depois, contou que tinha também um curso de defesa pessoal para mulheres. E já na roda de conversa surgiram características marcantes: o voluntário é também policial investigador e, antes de falar em luta, falou de respeito e afeto.

Roda de conversa sobre corpo, respeito e defesa

“Para a maioria foi um primeiro contato com artes marciais e todos adoraram”, resumiu a estudante Hilmara Fernandes, que costuma levantar pedidos e ajudar a organizar atividades na escola. “O pessoal curtiu a parte de movimento, especialmente porque estamos sem aula de educação física, por conta da reforma na quadra, mas acho que da mesma forma foi muito interessante o papo ele”, opinou a coordenadora pedagógica Sonia Andrade, lembrando as falas sobre defesa e luta, mas também as lutas do dia-a-dia e a importância da união e da defesa uns dos outros.

“Venho trabalhando em projetos de defesa pessoal e consciência corporal. Fizemos uma adaptação [para a escola] e fico à disposição para voltar mais vezes”, comentou o lutador, policial, voluntário e formando em Educação Física. “Foi uma troca, a molecada é sensacional. Incrível fazer da escola um espaço de afeto e troca”, concluiu.

E você, estudante, quer aprender o que além do currículo obrigatório? Faça sua inscrição no Quero na Escola e convide a sociedade a participar.

Anúncios