Dicas para escolher uma carreira profissional

Por Luciana Alvarez*

Para quem está no fim do Ensino Médio, a proximidade com o fim de ano muitas vezes traz uma angústia: e agora, o que fazer no próximo ano? A escolha de uma carreira profissional costuma ser difícil, porque envolve riscos e responsabilidade. De certa forma, ela também marca o início da vida adulta. Não existe fórmula mágica para determinar qual profissão cada um deve seguir, mas algumas dicas podem ajudar nessa decisão.

O primeiro passo é saber o que você gosta, o que não gosta, com o que se vê trabalhando. Para além de refletir sobre as disciplinas escolares, pense em outros aspectos de sua personalidade. Por exemplo: você gosta de estar cercado de pessoas, prefere um trabalho solitário, quem sabe em meio a máquinas, ou talvez cercado de bichos, de natureza? Gostar de falar ou ficar quieto? Prefere tomar decisões rapidamente ou bem refletidas? Gosta de ler? De se movimentar?

Mas cuidado para não confundir hobby com carreira profissional. Não é porque você adora jogar futebol que deva ser jogador profissional. Alguém pode amar cozinhar para os amigos às vezes, mas isso é bem diferente de trabalhar em um restaurante, lidando com grandes quantidades de comida e trabalhando aos fins de semana e feriados. Hobby é algo que se faz no tempo livre, para relaxar. Profissão exige dedicação e compromisso.

Procure conhecer o curso e a rotina profissional

Arquitetura pode parecer interessante alguém com um bom senso estético, mas você sabe quais as disciplinas são ensinadas, o quanto de matemática um arquiteto precisa estudar? Antes de se inscrever em um curso de cerca de 4 anos, você precisa saber o que terá de aprender. Para descobrir isso, basta buscar as grades curriculares de faculdades.

Também deve-se procurar conhecer o dia a dia da profissão. O melhor é conversar pessoalmente com alguém que já atua na área, para poder trocar ideias, tirar dúvidas. Se não for possível, alguns blogs podem ajudar. Vá atrás também de informações sobre as possibilidades dentro da carreira. Alguém que estuda Letras pode virar um tradutor – e vai trabalhar praticamente sozinho – ou um professor – que atua quase sempre cercado de gente. Empregabilidade e salário devem contar na decisão, mas não podem ser os únicos critérios de escolha.

Considere a opção de um curso técnico

A graduação não é o único caminho para entrar no mercado de trabalho fazendo aquilo que se gosta. Cursos técnicos bem conceituados oferecem empregabilidade rápida e bons salários – e há opções em todas as áreas do conhecimento. Por serem mais curtos, eles são muito focados na função que se vai desempenhar, com aulas práticas desde o início.

Em geral, as empresas pedem graduações para cargos que envolvem liderança, mas as pessoas podem fazer carreiras sendo técnicos competentes. Há estudantes que escolham o curso técnico como uma forma de se preparar para entrar numa faculdade. A graduação também é preferível para quem deseja seguir uma carreira acadêmica.

Calma, é apenas mais uma decisão

Durante toda a vida, temos que fazer escolhas. Para evitar um estresse desnecessário, não encare a escolha profissional como a grande decisão da sua vida. Ela é apenas mais uma, que pode ir mudando ao longo do caminho.

Há muitas outras variáveis podem influenciar sua decisão na hora de escolher uma carreira, como a possibilidade de estudar perto de casa ou ter de se mudar de cidade, a oferta de bolsas, as opiniões da família e amigos. Tudo deve ter seu peso, mas lembre-se que a palavra final tem que ser sua.

* Luciana Alvarez é jornalista, tradutora e agora empreendedora social, cocriadora doQuero na Escola!

Dicas para aprender TI e programação gratuitamente

Programação é um dos assuntos mais citados por estudantes que gostariam de aprender algo além da grade curricular. A formação abre vagas para o mundo do trabalho carente de profissionais de tecnlogia da informação (TI) e também ajuda ajuda a entrar mais profundamente na cultura digital. Além de ser usuário de computadores, celulares e internet, o auno pode entender como as coisas funcionam e se tornar autor de tudo isso.

 

Aprendizado online

Mesmo de graça é possível aprender sobre TI, sobretudo usando a internet. Com um pouco de curiosidade e algumas dicas, todos podem começar a se aventurar por esse universo. Um bom endereço para começar é o site Programaê (http://programae.org.br/#comece-agora), com cursos já separadinhos para todos os níveis: iniciante, intermediário, avançado.

Outra opção é ir ao site Brasil mais TI (http://www.brasilmaisti.com.br/index.php/pt/realize/cursos/view,default), uma iniciativa do governo federal que oferece 30 cursos gratuitos e totalmente em português. É só fazer a inscrição e começar a estudar.

Aprendizado presencial

Para quem prefere aulas presenciais, um caminho possível é procurar o Ciee (Centro de Integração Empresa-Escola). Em São Paulo, alunos cadastrados podem fazer cursos gratuitos na sede da instituição, que fica no Itaim-Bibi. As inscrições são abertas periodicamente. Você pode conferir as opções no site do Ciee (http://www.estudantes.ciee.org.br/portal/estudantes/parceiros/index.asp)

Também na cidade de São Paulo, existe em Pinheiros o Garoa Hacker Clube (https://garoa.net.br/wiki/P%C3%A1gina_principal), onde se reúne muita gente que gosta de tecnologia e está disposta a compartilhar seus conhecimentos. Eles têm alguns eventos regulares, como a Noite do Arduíno, além de uma programação variada de palestras e conferências, tudo oferecido gratuitamente.

Procuram-se voluntários

Para quem deseja contribuir com o ensino de TI, o Code Club Brasil (http://codeclubbrasil.org/) está sempre em busca de pessoas para contribuir financeiramente ou com trabalho voluntário para montar “clubes de código” em escolas país afora. A organização oferece o material e planos de aula já bem detalhados.

Você também pode pedir para aprender o que quiser além da grade escola no Quero na Escola! Vamos ajudar a encontrar um voluntário que queira atender o seu pedido: www.queronaescola.com.br

Vizinha atende alunos de escola pública que queriam aprender fotografia

 

José Bergamin, 14 anos, e Júlia Rodrigues, 15 anos, estudam na Escola Técnica Estadual Guaracy Silveira, em Pinheiros, São Paulo. Quando souberam do Quero na Escola! e da oportunidade de pedir algo além do currículo, os dois escolheram fotografia. A vizinha da escola e professora universitária, Beatriz Blanco, acessou o site, avisou que podia atender e, na semana passada, os três se encontraram.

 

A oficina foi na biblioteca da Etec e durou uma hora e meia. Rolou uma grande empatia entre os estudantes e a voluntária. Todos aprenderam e trocaram ideias, numa tarde que foi divertida e também proveitosa.

A Beatriz se preparou, fez uma apresentação em seu computador contando sobre o funcionamento da captura de imagens, mostrou alguns exemplos de fotos e fotógrafos consagrados. Ela levou também uma câmera semiprofissional para a dupla de adolescentes poder manusear um equipamento de ponta.

Os três também aprenderam juntos a usar os recursos das câmeras que possuem e ela explicou as funções do celular em perspectiva. Júlia e José ouviram tudo atentamente, tiraram dúvidas, contaram suas experiências e fizeram alguns testes de fotografia dentro da próprio biblioteca

Agradecemos o acolhimento da direção da escola e ao interesse da responsável pela biblioteca. Parece que gente legal e interessada atrai gente legal e interessada.

Cadastre-se também: www.queronaescola.com.br