Campanha por livro sobre estudantes transformadores termina com sucesso

O livro “21 Histórias de estudantes que mudaram a escola” será impresso em abril com o apoio de mais de 300 pessoas e instituições que acompanham o Quero na Escola. A obra é uma coleção de casos reais de estudantes que mudaram suas escolas ou mesmo todo o sistema de ensino no Brasil e no mundo. O objetivo é dar representatividade aos estudantes que querem mudar algo em seus cotidianos escolares.

A primeira edição da obra conta com patrocínio do Instituto Olga Kos e do Instituto Unibanco. As autoras, Cinthia Rodrigues e Luciana Alvarez, ambas jornalistas e cocriadoras do Quero na Escola, doaram seu trabalho nesta primeira edição e todo o valor arrecadado com a campanha de financiamento coletivo será revertido para a Associação Quero na Escola. Além disso, todos os doadores receberão ao menos um exemplar do livro.

Também serão doados 120 exemplares para escolas, professores e estudantes interessados. Quem quiser estar entre os beneficiados pode se cadastrar neste formulário. O envio estará disponível ainda em abril caso um educador ou educadora já queira usar o livro. Um dos critérios de seleção será a ordem de inscrição.

Cada história de “21 Histórias de estudantes que mudaram a escola” conta a transformação que o estudante conseguiu, qual era o problema com que lidava e quais resultados obteve. Os textos são pensados para adolescentes a partir de 12 anos. Cada capítulo é acompanhados de uma ilustração exclusiva que destaca os protagonistas e de mais informações sobre o tema que moveu aqueles estudantes.

Durante a campanha, algumas matérias sobre o livro foram publicadas:

A Associação Quero na Escola agradece a cada um dos apoiadores – que em breve terão também seus nomes em agradecimento publicado aqui – e a todos os parceiros. Vivemos tempos especialmente difíceis e contar com a ajuda desta rede é fundamental para seguirmos com nosso trabalho.

Reforma do Ensino Médio: Maioria dos jovens optaria por mais de uma área

Quero na Escola ouviu estudantes sobre as escolhas que fariam se a Reforma do Ensino Médio – prevista para começar ainda em 2018 – os afetasse. A consulta buscou saber principalmente se os jovens querem escolher entre uma das cinco diferentes áreas propostas pela Lei aprovada em 2017 e se sentem prontos para tomar tal decisão. O levantamento também se destina a estimular que mais estudantes sejam ouvidos sobre o assunto que deve o currículo das escolas.

Ao todo, 209 adolescentes de 20 cidades e 14 Estados diferentes responderam ao questionário. Destes, 128 disseram que topam dar entrevista sobre o assunto. O Quero na Escola se coloca à disposição de jornalistas interessados em ouvi-los.

Entre os que responderam a consulta, 86% disseram que sabiam da Reforma do Ensino Médio e 14% afirmaram que não tinham informação sobre a mudança. A Reforma foi feita por Medida Provisória em 2016 e aprovada pelo Congresso em 2017. Ainda em 2018 os governos estaduais, responsáveis pela etapa, começam a implementar a medida.

As cinco áreas foram apresentadas aos jovens sem que fosse dito que os estudantes poderiam escolher apenas uma área e 54% marcou duas ou mais opções, com o seguinte resultado:

Um terço dos adolescentes (33%) disse que já se sente pronto para fazer a escolha entre uma destas áreas. Outros 31% disseram que precisam de mais tempo e 33% afirmaram que não querem escolher apenas uma área.

Restaram ainda 2% que optaram por “outro”, como uma jovem de 15 anos que justificou: “Acredito que estas escolhas deviam caber apenas para o último ano do ensino médio, pois no primeiro e segundo ano muitos jovens ainda estão confusos em relação a essas opções. E, acredito que eu seja uma dessas pessoas. No momento posso ter mais familiaridade com tal matéria, mas no segundo ano posso ter com outra, por isso acredito que esta escolha devia ser feita apenas para os alunos do último ano do ensino médio.”

Mudar de escola

A pesquisa explicou ainda aos estudantes que cada escola terá apenas uma ou algumas das cinco opções. Neste caso, questionamos qual seria a opção do estudante entre escolher uma área oferecida pela escola ou buscar outra instituição. O resultado aponta para uma possível onda de migração caso a Reforma seja ampla: 62% optariam por mudar de escola, 33% mudar de área e 5% marcaram a opção “outro”, em que alguns explicaram que nenhuma das duas opções são interessantes para si. “Neste caso, iria me articular com outros estudantes para exigirmos mudanças. Não podemos desistir. Essa reforma não nos representa”, escreveu uma jovem de 16 anos.

Sobre o Quero na Escola
Somos uma associação sem fins lucrativos que parte da escuta aos estudantes para ampliar as possibilidades dentro das escolas públicas. Por meio da nossa plataforma, qualquer estudante pode dizer o que mais gostaria de aprender além do currículo e pessoas que gostariam de ajudar podem oferecer uma aula sobre o assunto pedido. Visite: queronaescola.com.br